Executiva Nacional do Cidadania divulga nota contra impeachment de Ministro do STF

A nota diz que o partido não pode ser aliado objetivo do reacionarismo

Jorge Kajuru (Cidadania) e Alexandre de Moraes. Foto: Reprodução.

Nesta quinta-feira (18), Roberto Freire e a Direção Executiva Nacional do Cidadania manifestaram-se através de uma nota, na qual desaprova pedido inédito de impeachment contra o Ministro do Supremo Tribunal Federal, Alexandre de Moraes.

O documento foi publicado após o Senador Jorge Kajuru (Cidadania) junto ao jornalista Caio Copolla terem movido, na última segunda (15) um abaixo-assinado com 2,5 milhões de assinaturas, pedindo o impeachment do Ministro do Supremo.

Na segunda, Kajuru concedeu entrevista ao programa Direto ao Ponto, da Jovem Pan, onde contou sobre o processo movido contra Moraes.

“Eu entrei com o pedido sozinho e tive a sorte de 15 dias atrás ser procurado pelo Caio e ele me ascendeu, disse ‘Vamos botar fogo no Brasil’ e disse que meu pedido era muito bem embasado e me falou sobre o abaixo-assinado. Começamos hoje e já temos quase 2 milhões de assinaturas”, contou.

O Senador também contou a sua motivação em ter movido tal processo, que segundo ele, foram os erros sucessivos do Ministro.

“Desde o momento dele como secretário de segurança pública em São Paulo já era motivo de CPI. Depois ele virou ministro da justiça do Michel Temer, ali o governo Temer era um caldeirão de corrupção. De repente esse homem chega ao STF e foi cometendo erro um atrás do outro, especialmente o da arrogância que é um preço lamentável. Arrogância para mim é o maior defeito de uma pessoa. A pessoa não pode achar que é mais importante que o cargo. Os erros dele foram claros, factuais e foi fácil fazer o embasamento juridicamente para pedir o impeachment dele. A população brasileira pode provocar o primeiro impeachment da história do Brasil [no STF]”, declarou.

A atitude do parlamentar não foi vista com bons olhos pela executiva nacional de seu partido.

De acordo com o posicionamento do Partido, “atacar o STF é se alinhar às forças reacionárias e obscurantistas que atentam contra as instituições republicanas e contra a própria democracia”, o que não condiz com a atuação do Cidadania, diz a nota.

Veja a Nota do Cidadania na Íntegra

O Cidadania é um partido plural.

Esta diversidade estrutural se apoia em princípios democráticos consistentes e no respeito às consciências individuais, que têm o direito de se expressar com liberdade, no limite da lei.

Defender o direito de alguém propor algo, porém, não significa concordar com o que é proposto.

Por isso, a Executiva Nacional do Cidadania informa que desautoriza, neste momento, qualquer ação em nome do partido que proponha o impeachment de ministros do Supremo Tribunal Federal (STF).

Ainda mais do ministro Alexandre de Moraes, que atua de forma firme contra os extremistas produtores e divulgadores de fake news para destruir reputações de pessoas e instituições.

A mobilização pelo impedimento do ministro Alexandre de Moraes, portanto, não é uma ação partidária. Não condiz com a atuação política do Cidadania na atual conjuntura, em que crises superpostas se somam à ineficiência e à falta de empatia do governo Bolsonaro para desestabilizar o país.

Na avaliação desta Executiva Nacional, atacar o STF é se alinhar às forças reacionárias e obscurantistas que atentam contra as instituições republicanas e contra a própria democracia.

Roberto Freire,
Executiva Nacional do Cidadania

Redação Gabinete Paraíba

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s